Odebrecht dava nome de times de futebol aos partidos, diz delator

© Paulo Withaker/Reuters Posição dos jogadores era
 utilizada para designar o cargo ocupado pelo
 político beneficiado por propina
A delação do ex-diretor da Odebrecht Luiz Eduardo Soares, durante as investigações da Lava Jato, aponta que o "departamento de propina" da empresa utilizava nomes de times de futebol para identificar alguns partidos, bem como a posição dos jogadores para designar o cargo ocupado pelo político beneficiado.
O PT era o Flamengo, PSB era o Sport, PSBD o Corinthians, PP o Cruzeiro, PTB o Vasco, PPS o Palmeiras, PR o São Paulo, DEM o Fluminense, Atlético Mineiro o PSOL, PCdoB o Bahia, PSC o Náutico, PSD o Botafogo, PRB o Santos, PDT o Grêmio, PMDB o Internacional, PROS era o Santa Cruz, PV o Coritiba, e a Rede era identificada como Remo. Os políticos sem partidos recebiam o apelido de ABC. A lista conta com 18 siglas.
Segundo informações de O Globo, na tabela apresentada pelo delator, explica-se ainda que os presidentes apareciam como centroavantes, governador era descrito como meia, senador era chamado de ponta, deputado federal era apelidado de volante e deputado estadual de zagueiro. Quem não tinha cargo e pertencia à base de partidos, recebia o apelido de goleiro.

De acordo com Luiz Eduardo, a empresa preferia o caixa dois para ocultar apoios. "Nós não gostávamos de fazer muitos pagamentos lícitos porque chamava muito a atenção. Se fosse pagar tudo de forma lícita daria US$ 100 milhões da Odebrecht. Em 2010 acho que foi R$ 60 milhões em (doação) lícita. É pouco. Se pega em relação a Camargo Corrêa, Andrade é pouco", afirmou.

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE