Polícia faz, na Sapucaí, reprodução simulada do acidente com carro da Paraíso do Tuiuti que feriu 20 pessoas

Carro da Paraíso do Tuiuti é levado de volta à Marquês de Sapucaí
para participar de reprodução simulada do acidente que feriu 20
 pessoas (Foto: Carlos Brito/G1)
Veículo foi levado para o sambódromo na manhã desta quarta-feira (1). Reconstituição poderá ajudar a esclarecer as causas do acidente.
O carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti que, desgovernador, atropelou e feriu 20 pessoas no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial foi levado de volta à Marquês de Sapucaí na manhã desta quarta-feira (1). Conforme informou o Bom Dia Rio, a polícia fará a reprodução simulada do acidente.
O trabalho pericial poderá ajudar a polícia a esclarecer as causas do acidente. O carro passou já passou por duas perícias - uma preliminar, logo após o desfile da agremiação, e outra na manhã seguinte ao acidente.
Os peritos descobriram uma roda quebrada no carro. Na perícia preliminar, o delegado William Lourenço, substituto na 6ª DP (Cidade Nova) havia afirmado que não foi identificada falha mecânica no veículo. O laudo com o resultado final ainda não tem data para ser concluído.
Testemunhas contaram que, primeiro, o carro bateu na grade que separa a arquibancada da pista. Nas imagens que foram registradas do acidente é possível ver uma correria. O carro, já do outro lado da avenida, atropelou algumas pessoas que estavam em frente às cabines de serviço. Depois, foi para trás e acabou prensando quem estava perto da grade.
“A alegoria deu uma ré repentina, mas muito rápido, numa velocidade anormal”, disse uma testemunha.
“E ele se desgovernou, veio numa velocidade e veio pegando as pessoas que estavam aqui na grade. Venho aqui há mais de 20 anos, nunca vi uma coisa dessa”, disse a espectadora.
Vinte pessoas ficaram feridas. Três permaneciam internadas até a manhã desta quarta-feira, uma delas em estado grave.
'Me perdoe'
Quem conduzia o carro alegórico é o motorista Francisco de Assis Lopes, de 53 anos. Ele prestoi depoimento na 6ª DP na segunda-feira (27). Aos jornalistas, ele disse apenas que pedia perdão às vítimas do acidente.
"Quem foi machucado me perdoe mesmo. Me perdoe. eu não tive culpa, só quero pedir desculpas às famílias. Eu não tenho mais nada a declarar", afirmou o motorista.
Os filhos de Francisco, Liverton dos Santos Lopes Jr. e Lidiane Isis dos Santos Lopes, afirmaram à imprensa que o pai não sabia que o carro alegórico dirigido por ele seria acoplado a outro veículo. Francisco acabou perdendo o controle do carro e colidiu contra uma grade da pista da Marquês de Sapucaí.
Segundo os filhos, Francisco é motorista profissional de caminhão há 30 anos e estaria apto para desempenhar a função no carro alegórico, embora esta tenha sido a primeira vez em que ele guiou uma alegoria carnavalesca. Além do problema do carro acoplado, eles também afirmaram que a Paraíso do Tuiuti era responsável por disponibilizar alguém que guiasse a manobra, o que não aconteceu.
Liverton e Lidiane também dizem que o problema técnico com a "roda maluca" - uma peça sob o chassi da alegoria - contribuiu para o acidente e que o pai foi agredido logo após o acidente, o que foi negado por diretores da escola. De acordo com a filha de Francisco, depois de avançar sobre as grades, uma pessoa com um microfone subiu no carro alegórico e mandou o motorista dar ré.
"Subiu uma pessoa no carro pedindo para ele dar ré com um microfone. Aí, ele deu ré porque mandaram, não foi porque ele perdeu a direção porque ele quis. Não. Ele deu ré porque foi orientado a dar ré", disse.
Em nota, a diretoria da Paraíso do Tuiuti informou que seu diretor de carnaval, Leando Azevedo, visitou as três vítimas do acidente que permanecem internadas e que prestará toda a assistência necessária. "A agremiação já se comprometeu a arcar com todos os custos da reabilitação assim que as vítimas receberem alta médica", diz o texto.
Acidentes marcam Grupo Especial
Não foi apenas o desfile da Paraíso do Tuiuti que deixou feridos na Marquês de Sapucaí. Na segunda noite de desfiles do Grupo Especial, parte da estrutura de um carro alegórico da Unidos da Tijuca despencou, ferindo 12 pessoas.
A perícia realizada no carro apontou que falha na soldagem de uma das estruturas de sustentação pode ter causado o acidente. A informação foi dada pela delegada Aparecida Mallet, da 6ª DP (Cidade Nova), responsável pela investigação do caso.
O acidente aconteceu logo no início do desfile da escola, no segundo carro a entrar na Marquês de Sapucaí. A parte de cima da alegoria veio abaixo, e os integrantes que a ocupavam caíram por cima de outros, que estavam na parte mais baixa.
Além dos dois acidente, uma destaque de um dos carros alegóricos da Mocidade despencou quando parte da estrutura cedeu. Já um carro da União da Ilha bateu no estúdio da Globo. Ninguém se feriu nestas duas ocorrências.
Em nota, a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) manifestou preocupação sobre os acidentes com carros alegóricos que aconteceram nos dois dias de desfile na Marquês de Sapucaí.
A entidade afirmou que irá reunir representantes de todas as escolas de samba "para realizar os ajustes que se fizerem necessários", a fim de evitar que situações semelhantes se repitam nos próximos carnavais.

Por G1 Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE