Sérgio Côrtes e outros dois são indiciados pela PF por corrupção no RJ

Sérgio Côrtes foi secretário de Cabral no RJ
 (Foto: Reprodução/TV Globo)
Sérgio Côrtes e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Istellita foram detidos na Operação Fatura Exposta. PF investiga desvio de verbas no Into e na Secretaria Estadual de Saúde.
O ex-secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, e os empresários Miguel Iskin e Gustavo Istellita foram indiciados pela Polícia Federal por corrupção. Eles foram detidos na Operação Fatura Exposta, que investiga um esquema de desvio de dinheiro público no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) e na Secretaria Estadual de Saúde.
Na semana passada, Sérgio Côrtes e Miguel Iskin viraram réus no mesmo caso, por obstrução da justiça. A assessoria de Miguel Iskin afirmou que não vai comentar. O Bom Dia Rio não conseguiu falar com as defesas dos outros indiciados.
Os três foram presos no mês passado e são acusados de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. De 2007 a 2016, as investigações apontaram desvio de R$ 300 milhões em contratos do Into e da Secretaria Estadual de Saúde.
A denúncia veio da delação premiada de César Romero, que foi subsecretário de Saúde na gestão de Sérgio Côrtes. Em 2010, César Romero foi exonerado do cargo pelo próprio Sérgio Côrtes, acusado de corrupção e superfaturamento na manutenção de ambulâncias e carros usados no combate à dengue.
De exemplo de gestor a preso
Na época em que foi secretário de Saúde e também quando estava na direção do Into, Côrtes costumava se apresentar como um administrador preocupado com o dinheiro público. “O meu sonho é que R$ 1 da saúde valha realmente R$ 1. É o que nós estamos tentando dentro do instituto", disse o então diretor do Into, em 2004.
Côrtes ganhou fama de “gestor implacável” na direção do Into, um centro federal de referência no tratamento ortopédico. Dizia sofrer ameaças de morte por combater os desvios dentro do instituto. Quando Sérgio Cabral assumiu o governo, levou Sérgio Côrtes para ser o secretário de Saúde.
“Tô muito satisfeito, muito tranquilo em deixar essa pasta nas mãos desse médico intolerante com a incompetência, inimigo da corrupção”, disse o ex-governador do Rio Sérgio Cabral, em 2006.
Aparentemente Côrtes era alguém que zelava pelo dinheiro público, mas sua prisão revelou uma suspeita antiga: a de que a principal missão desse medico não era a saúde dos pacientes. Ele já estava na mira dos investigadores.
A Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União já investigavam superfaturamento em contratos do Into quando Sérgio Côrtes era diretor. Na ocasião, ele não foi condenado.
Uma foto de 2009 mostra o ex-secretário num restaurante em Paris, em um jantar em homenagem a Sérgio Cabral. O encontro conhecido como a ‘farra dos guardanapos’. Em 2010, o Ministério Público do Rio investigou contratos da Secretaria Estadual de Saúde. Côrtes decidiu exonerar o subsecretario executivo César Romero Vianna Júnior.
César Romero fez a delação premiada que ajudou a prender o ex-chefe. O delator também gravou conversas com Sérgio Côrtes sobre o esquema de propina. Numa delas o ex-secretário tenta combinar o que os dois poderiam falar à Justiça.

Por Bom Dia Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE