Cruz Vermelha diz que há janela de três meses para evitar fome em massa no Iêmen e na Somália

Saida Ahmad Baghili, de 18 anos, sofre de desnutrição severa.
A foto foi tirada no hospital da cidade de Hodeidah, no Iêmen,
em 24 de outubro (Foto: Abduljabbar Zeyad/ Reuters)
Estimativa da ONG aponta que há mais de 20 milhões de pessoas no Iêmen, na Somália, no Sudão do Sul e no nordeste da Nigéria que enfrentam a fome.
O Comitê Internacional da Cruz Vermelha alertou nesta quarta-feira (22) que há uma janela de três a quatro meses para evitar fome em massa no Iêmen e na Somália, segundo a Reuters.
A estimativa da ONG aponta que há mais de 20 milhões de pessoas no Iêmen, na Somália, no Sudão do Sul e no nordeste da Nigéria que enfrentam a fome. "Provavelmente temos uma janela de três a quatro meses para evitar um pior cenário", afirmou o diretor de operações da Cruz Vermelha , Dominik Stillhart, em uma entrevista coletiva.
A estimativa de pessoas que passam fome feita pela Cruz Vermelha ainda é inferior a divulgada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o Iêmen. Segundo a ONU, aproximadamente 17 milhões de cidadãos iemenitas, dois terços da população do país, necessitam de assistência urgente para evitar o risco de morrerem de fome nos próximos meses.
O Iêmen enfrenta atualmente a crise de fome mais grave do mundo, segundo as conclusões do relatório da ONU sobre Segurança Alimentar e Nutrição de Emergência de fevereiro de 2017, segundo a agência Efe.
O número de pessoas em risco de crise de fome no país aumentou 21% desde junho do ano passado e a situação de "emergência" alimentar ou de "crise" já afeta 20 das 22 províncias do país.

Por G1
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE