Japão suspende importação de carne brasileira após operação da PF

Além da União Europeia, pelo menos seis países restringiram compra de carne do Brasil. No ano passado, Japão foi o quinto maior importador do produto brasileiro.
A embaixada do Japão anunciou nesta terça-feira (21) que suspendeu a importação de carne dos 21 frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca. Em nota, a embaixada informa que a suspensão seguirá valendo "até novas notificações". Depois do Japão, também o México anunciou restrição.
Em 2016, o Japão foi o quinto maior importador de carne brasileira: US$ 747 milhões, o equivalente a 5,5% do total. O país adquiriu basicamente carne de frango do Brasil no ano passado.
No total, as exportações de carnes pelo Brasil no ano passado somaram US$ 13,49 bilhões.
Além do Japão, restringiram oficialmente a importação de carne brasileira:
  • Chile
  • Suíça
  • China
  • Hong-Kong
  • México
  • União Europeia
China e Hong-Kong são os principais compradores de carnes do Brasil. A União Europeia também anunciou sanções.
A Coreia do Sul chegou a anunciar a suspensão de importação de frango, na segunda, mas voltou atrás nesta terça.
Principais importadores
Saiba quais são os principais compradores de carne brasileira, segundo o Ministério da Indústria e Comércio Exterior:
  1. China - US$ 1,75 bilhão (13% do total)
  2. Hong Kong - US$ 1,51 bilhão (11,2% do total
  3. Arábia Saudita - US$ 1,27 bilhão (9,4% do total)
  4. Rússia - US$ 1,03 bilhão (7,6% do total)
  5. Japão - US$ 747 milhões (5,5% do total)
  6. Países Baixos - US$ 715 milhões (5,3% do total)
  7. Egito - US$ 690 milhões (5,1% do total)
  8. Emirados Árabes Unidos - US$ 585 milhões (4,3% do total)
  9. Chile - US$ 441 milhões (3,2% do total)
  10. Reino Unido - US$ 389 milhões (2,9% do total)
Argentina
Em comunicado divulgado nesta terça-feira (21), o Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Alimentar (Senasa) da Argentina informou que vai aumentar ainda mais os controles de todos as carnes vindas do Brasil.
No comunicado, a Argentina classifica de prudente a decisão brasileira de suspender as exportações dos 21 frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca e diz que está acompanhando atentamente os resultados das investigações.
A Argentina informou ainda que, dos frigoríficos investigados, somente um exporta para o país.
Segundo dados do Ministério da Agricultura, nos últimos 60 dias só o frigorífico Larissa, em Iporã (PR), exportou para a Argentina. O país comprou carne congelada de suíno sem osso.
A operação
Deflagrada pela Polícia Federal na semana passada, a Operação Carne Fraca investiga corrupção de fiscais do Ministério da Agricultura, suspeitos de receberem propina para liberar licenças de frigoríficos. Segundo a PF, partidos como o PP e o PMDB também teriam recebido propina.
Além de corrupção, a PF também apura a venda, pelos frigoríficos, de carne vencida ou estragada, dentro do Brasil e no exterior.
As investigações envolvem empresas como a JBS, que é dona de marcas como Friboi, Seara e Swift, e a BRF, dona da Sadia e Perdigão, além de frigoríficos menores, como Mastercarnes, Souza Ramos e Peccin, do Paraná, e Larissa, que tem unidades no Paraná e em São Paulo.
Na segunda, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já havia anunciado a suspensão das exportações dos 21 frigoríficos investigados pela PF. Três deles fora interditados e pararam a produção. Os outros 18 podem continuar a vender dentro do Brasil.
O Ministério da Agricultura também afastou preventivamente os 33 servidores da pasta que são investigados na Operação Carne Fraca. Segundo o ministério, esses servidores vão responder a processo administrativo disciplinar.

G1, Brasília
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE