Protestos da Venezuela unem todas as classes sociais

Protesto em Caracas contra governo de Nicolás Maduro,
da Venezuela - 01/07/2017 (Juan Barreto/AFP)
Manifestação defende a procuradora-geral Luisa Ortega, chavista que se colocou contra o governo
Após três meses de protestos e 80 mortos, os venezuelanos continuam protestando contra o governo de Nicolás Maduro e a favor da democracia.
“Os protestos acontecem de maneira improvisada, sem aviso, para evitar a repressão”, diz a jornalista Nathalia Watkins que cobre os eventos na Venezuela.
“A gente vê gente descendo da favela e gente descendo vindo dos bairros mais nobres da cidade em direção à manifestação”, diz Nathalia.
Segundo ela, muitos chegam com paus, pedras e escudos, preparados para enfrentar a Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e os colectivos, milícias chavistas armadas que não usam uniforme e geralmente andam de moto.
Entre os slogans mais comuns estão “Maduro assassino”, “Liberdade!” e outros pedindo uma mudança de governo.
A tensão no país tem aumentado com a aproximação da data de 30 de julho, dia marcado para eleições para a Assembleia Constituinte. Maduro está usando essa ideia de uma constituinte para suprimir de vez a atual assembleia eleita pelo povo e de maioria opositora. Ele também alterou as regras eleitorais para conseguir a maioria no novo órgão, mesmo com uma minoria de votos.
Nos protestos recentes, a repressão costuma acontecer no final da tarde. “É um ritual que se repete, com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Eles usam o que podem para dispersar as pessoas”, diz Nathalia.

A imprensa, geralmente preservada em manifestações em todo o mundo, também tem sido atacada sem piedade pelas milícias e pelos uniformizados.
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE