OEA diz que Maduro tem 'responsabilidade penal' por mortes em protestos na Venezuela

Manifestante mascarado se senta em meio a avenida durante
protesto contra Nicolás Maduro, em Caracas, na quarta-feira (19)
(Foto: Ronaldo Schemidt / AFP)
Secretário geral critica a repressão contra os manifestantes e a convocação de uma Assembleia Constituinte por parte de Maduro.
O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, afirmou nesta quarta-feira (19) que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e outros membros da cúpula do governo têm "responsabilidade penal" sobre os mortos na onda de protestos, segundo a France Presse.
"O regime (venezuelano) persiste com a violação sistemática da Constituição e com o uso sistemático da repressão violenta, os únicos meios que lhe permitem se manter no poder", escreveu Almagro em seu terceiro relatório sobre a Venezuela e o primeiro após o início da atual onda de protestos, em 1º de abril.
"A cadeia de comando começa no topo da estrutura hierárquica. Têm responsabilidade penal os que elaboram a política e planejam a estratégia de repressão, assim como os que participam e são cúmplices da aplicação desta política", de acordo com a France Presse.
Em seu relatório de 60 páginas, dirigido ao presidente do Conselho Permanente da OEA, embaixador brasileiro José Luiz Machado e Costa, Almagro critica a repressão contra os manifestantes, assim como a convocação de uma Assembleia Constituinte por parte de Maduro.
"O presidente Maduro, seu vice-presidente e seu Gabinete dão instruções à direção das forças militares e aos corpos policiais (...). Estas organizações, junto com suas contrapartes regionais e o aparato de segurança paramilitar, os chamados coletivos, executam as ordens emanadas do Poder Executivo", destaca o relatório.
"A responsabilidade pelos crimes perpetrados recai tanto sobre os que estão na ponta da pirâmide organizacional como sobre os que apertam o gatilho ou empregam armas de tortura".
"A escalada da violência, que até agora já deixou um rastro de mais de 100 vítimas civis, culminou com o ataque à Assembleia Nacional, o símbolo da Venezuela democrática, em 5 de julho".
O documento inclui uma lista com os nomes e dados de 92 pessoas mortas (até o dia 10 de julho) nos protestos na Venezuela.
Na terça-feira (18), o Ministério Público da Venezuela informou que investiga a morte de um homem identificado como Héctor Anuel, que foi queimado durante uma manifestação no estado de Anzoategui.
Greve geral
A oposição convocou para esta quinta-feira uma greve geral no intuito de aumentar a pressão contra a iniciativa do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, de criar uma Assembleia Constituinte.
O processo, criticado pela oposição e pela comunidade internacional, na prática, vai estender o mandato de Maduro.

Por G1
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE