Ministro da Defesa alerta para represália de criminosos à atuação de militares no RJ

Forças Armadas que atuarão no Rio estão preparadas
para qualquer reação, diz Jungmann. Reprodução 
Forças Armadas vão auxiliar as polícia estaduais até o último dia de 2018. Anúncio foi feito nesta quinta-feira pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann.
"Tempos difíceis e extraordinários requerem medidas difíceis e extraordinárias." A frase foi dita pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, para resumir como será a atuação das Forças Armadas no Rio de Janeiro até o último dia de 2018. O comunicado foi feito nesta quinta-feira (27) durante coletiva de imprensa na sede do Comando Militar do Leste, no Centro do Rio.
Segundo Jungmann, a participação de Exército, Marinha e Aeronáutica não será feita de uma forma que ele classificou como "clássica" de ocupação, como é previsto em decretos de garantia da lei e da ordem, GLO, alguns deles assinados no período das Olimpíadas de 2016, por exemplo. Ainda assim, o ministro adiantou que alguns dos decretos serão, sim, assinados pelo presidente Michel Temer para determinadas situações.
"Primeiro, essas operações, elas não serão anunciadas. Nós não anunciaremos [efetivo, custo, local]. (..) O objetivo não é apenas inibir o crime com a presença física das Forças Armadas e outras forças, se trata, neste caso aqui, de golpear. Por isso, a palavra-chave, primeiro, é inteligência. É gerar informações para que nós possamos chegar na cadeia, no comando do crime", afirmou.
Após a explicação, o ministro disse que precisava se dirigir à sociedade civil e alertou para a possibilidade de represálias do crime organizado à atuação dos militares.
"É preciso ter em conta que dado o avanço e o ponto que chegou a criminalidade no Rio, sim, nós vamos ter reações. E é muito importante que a sociedade entenda que é preciso enfrentar", ressaltou ou ministro.
Ações sociais
Durante o anúncio, Jungmann também prometeu ações sociais durante a atuação das forças armadas no estado. Segundo ele, já há um pacote de propostas e soluções elaborados pelo Ministério do Desenvolvimento Social sobre o que deverá ser feito nas comunidades.
Também nesta quinta, mais cedo, Jungmann participou da primeira reunião do Estado-Maior Conjunto para Operações Integradas no Rio de Janeiro. Trata-se de um órgão de coordenação e planejamento criado para apoiar o Plano Nacional de Segurança, definido pelo governo federal, que atuará no RJ até o fim do próximo ano.
Uma das justificativas para a mudança no emprego de militares foi a longa permanência do Exército no Complexo da Maré. De acordo com Jungmann, foram gastos R$ 400 milhões durante 1 ano e meio de ocupação no conjunto de comunidades e, atualmente, o crime organizado voltou a dominar as favelas.

Por Nicolás Satriano, G1 Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE