Juiz apontado pela oposição é preso na Venezuela

© REUTERS/Marco Bello Agentes teriam disparado contra
o veículo da irmã de Aponte. Ele foi preso nesta tarde
Agentes do Sebin (serviço secreto venezuelano) detiveram neste sábado (22) Ángel Zerpa Aponte, um dos 33 juízes apontados durante a semana pela Assembleia Nacional, controlada pela oposição, para substituir os atuais integrantes do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).
De acordo com o deputado Winston Flores, da agremiação opositora MUD (Mesa de Unidade Democrática), o magistrado foi detido por volta das 18h (19h em Brasília) em uma rua de Caracas e levado em uma caminhonete cinza. Os agentes teriam disparado contra o veículo da irmã de Aponte.
O ex-presidenciável Henrique Capriles, governador do Estado de Miranda, afirmou que o Sebin recebeu ordem para prender os juízes recém-apontados e submetê-los à Justiça Militar.
A indicação dos juízes, não reconhecida pelo TSJ, foi um gesto da oposição para aumentar a pressão contra o governo de Nicolás Maduro após milhões de venezuelanos votarem em plebiscito informal no domingo (16) contra a Assembleia Constituinte convocada pelo líder chavista, cuja eleição se dará no próximo dia 30.
A escolha dos juízes cabe, segundo a Constituição, à Assembleia Nacional, a partir de lista enviada pelo Conselho Moral Republicano. O Legislativo, porém, está em desacato desde janeiro de 2016 por empossar três deputados impugnados.
Na sexta-feira (21), o TSJ havia ameaçado prender os juízes indicados pela oposição "a fim de manter a paz e a estabilidade". A corte também declarou que os parlamentares a decisão da Assembleia Nacional de apontá-los representa "não só o delito de usurpação de funções, mas o de traição à pátria".
Usado pelas autoridades para julgar os manifestantes em tribunais militares, onde não há participação do Ministério Público, o delito de traição à pátria é passível de prisão imediata do suspeito.
JORNALISTAS AGREDIDOS
O sindicato de jornalistas da Venezuela afirmou que cinco repórteres foram agredidos durante uma manifestação em Caracas neste sábado (22) contra o governo de Nicolás Maduro. Um dos profissionais agredidos foi o fotojornalista Luis Díaz, do jornal "La Prensa de Lara", que teve sua câmera roubada e ficou com duas costelas fraturadas.
A marcha foi convocada pela oposição para apoiar a indicação dos juízes para o TSJ e demonstrar rechaço à Assembleia Constituinte. A polícia reprimiu o protesto com gás lacrimogêneo e balas de borracha.
Adversários de Maduro consideram que a Constituinte é uma tentativa do líder chavista de se manter no poder apesar de sua baixa popularidade. A escolha dos integrantes da Constituinte se dará de maneira colegiada, o que, para a oposição, representa uma violação do direito ao voto universal e direto.

A Venezuela registra desde abril uma onda de saques e protestos contra o governo, a qual já deixou cem mortos. (Folhapress)
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE