EUA pedem 'ação global' contra ameaça norte-coreana após teste; Kim Jong Un diz que não negocia enquanto americanos forem hostis

Pessoas passam por uma TV em Tóquio, no Japão, que exibe
 a imagem do líder norte-coreano Kim Jong Un enquanto relata
o teste de mísseis da Coreia do Norte que caiu no mar do país
(Foto: Eugene Hoshiko/AP)
Secretário de Estado dos EUA confirmou que teste usou míssil intercontinental e diz que ele representou 'nova escalada de ameaça'. Segundo Tillerson, país 'nunca aceitará uma Coreia do Norte com armas nucleares'.
O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse nesta terça (4) que o teste com um míssil intercontinental realizado pela Coreia do Norte representa “uma nova escalada da ameaça aos EUA e seus aliados” e que seu país irá “adotar fortes medidas” para responsabilizar os norte-coreanos por isso.
Segundo a agência Reuters, o secretário, ao confirmar o uso de um míssil intercontinental pela primeira vez, afirmou que “uma ação global é necessária para parar uma ameaça global”. Ele acrescentou que os EUA "nunca aceitarão uma Coreia do Norte com armas nucleares".
Além disso, sem especificar diretamente a quem se referia, ele disse que qualquer país que empregue norte-coreanos, garantindo benefícios econômicos ou militares a Pyongyang, ou que não colabore com a implementação de sanções contra o país, “está ajudando e encorajando um regime perigoso”.
Enquanto isso, o regime norte-coreano reafirmou que o teste foi bem sucedido e garantiu que não pretende negociar com os Estados Unidos. De acordo com a agência norte-coreana KCNA, Pyongyang não tem interesse em discutir qualquer tipo de acordo sobre suas armas até que Washington abandone a política hostil contra o país.
Ainda segundo a KCNA, o teste realizado na manhã desta terça foi com um novo míssil balístico intercontinental que pode carregar uma grande e pesada ogiva nuclear e a ogiva reentrou na atmosfera com sucesso.
A Coreia do Sul e os Estados Unidos informaram que, nas primeiras horas de quarta (horário local) , realizaram uma simulação de uma ofensiva com mísseis balísticos tendo como alvo o Norte. Segundo um release divulgado pela aliança militar dos dois países, durante o exercício mísseis foram disparados em águas territoriais da Coreia do Sul, na costa leste.
O Conselho de Segurança da ONU informou que irá realizar uma reunião nesta quarta sobre o teste de míssil da Coreia do Norte. O encontro havia sido solicitado pelos Estados Unidos.
Brasil manifesta preocupação
Na noite desta terça, o governo brasileiro manifestou "grave procupação" pelo lançamento do míssil e chama os países envolvidos a "retomarem a via do diálogo, com vistas à desnuclearização da Península Coreana e ao fortalecimento da paz e da segurança na região".
"Além de colocarem em risco a segurança de países vizinhos, lançamentos com emprego de tecnologia de mísseis balísticos constituem violações da RPDC (República Popular e Democrática da Coreia) a resoluções do Conselho de Segurança", afirma ainda a nota.

Por G1
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE