Almagro recruta ex-procurador do TPI para estudar denúncias contra Venezuela

O secretário geral da OEA, Luis Almagro, e o ex-procurador do
Tribunal Penal Internacional Luiz Moreno Ocampo participam
de coletiva de imprensa na sede da OEA em Washington,
 na terça (25) (Foto: AP Photo/Luis Alonso Lugo)
Argentino Luis Moreno Ocampo foi o primeiro procurador do Tribunal Penal Internacional e irá analisar denúncias de crimes contra a humanidade. Se comprovados, casos poderão ser denunciados ao Tribunal por países da região.
O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, designou nesta terça-feira (25) um ex-procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) para analisar as denúncias de violações dos direitos humanos na Venezuela.
O advogado argentino Luis Moreno Ocampo, que foi o primeiro procurador do TPI, se juntará como "assessor da organização para os temas de análise de crimes contra a humanidade no caso da Venezuela", disse Almagro em declaração aos jornalistas.
Se forem comprovados crimes deste tipo, a OEA daria base para que um ou vários países da região denunciassem os responsáveis ao TPI.
"É evidente para a comunidade internacional que estamos na presença de crimes contra a humanidade" na Venezuela, apontou Almagro.
Moreno Ocampo disse que seu papel será oferecer o seu "conhecimento técnico de como funciona o Estatuto de Roma que permite ao Tribunal intervir nos Estados-membros".
O plano, explicou, é organizar na OEA "uma série de audiências públicas" para ouvir todas as partes e contribuir para chegar a uma conclusão sobre se estão ou não cometendo crimes contra a humanidade na Venezuela.
Sobre este tema, Moreno Ocampo foi cauteloso: "eu não tenho nenhum indício. O secretário-geral está convencido de que ocorrem", apontou.
"A opinião do secretário-geral é muito válida, mas é sua opinião pessoal. Eu não tenho opinião formada" a respeito, esclareceu o jurista.
A princípio, disse, a OEA "não tem faculdade" para enviar um caso ao TPI.
"O que se pode fazer é pegar as informações, organizá-las, revisá-las e informar os Estados-membros", já que somente eles podem levar uma denúncia ao Tribunal.
Segundo Moreno Ocampo, Almagro informou que "já existem alguns presidentes na região interessados" em levar o caso ao TPI.
O jurista argentino admitiu que a iniciativa é, por enquanto, exclusiva de Almagro, como secretário-geral da OEA, e não da entidade em si. "O secretário-geral me convidou e suponho que informará e discutirá [o tema] com os países", assinalou.
Instantes antes do anúncio de Almagro e Moreno Ocampo, embaixadores de três países na OEA disseram a jornalistas, sob condição de anonimato, que não tinham nenhuma informação sobre os planos de Almagro.

Por France Presse
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE