EUA impõem sanções aos oito juízes do Supremo da Venezuela por 'usurpar' Parlamento

Maikel Moreno, presidente do Tribunal Supremo de Justiça
 (TSJ) da Venezuela (Foto: Reprodução/ Twitter/ TSJ Venezuela‏)
Em abril, Maduro ordenou que Supremo privasse a Assembleia Nacional de todas as suas funções. Medida foi revogada, mas protestos continuaram.
O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos impôs sanções econômicas nesta quinta-feira (18) ao presidente do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela, Maikel Moreno, e a sete magistrados da Sala Constitucional da corte por "usurpar a autoridade" da Assembleia Nacional.
As novas sanções foram aplicadas após várias semanas de protestos desencadeados pela ordem do TSJ de privar a Assembleia Nacional, controlada pela oposição ao presidente do país, Nicolás Maduro, de todas as suas funções. A medida foi revogada poucos dias depois, mas os protestos continuaram e se agravaram com a intenção de Maduro de convocar uma Assembleia Constituinte para reformar a Constituição, vista pela oposição como uma tentativa de se consolidar no poder sem convocar eleições. Desde o início de abril, as manifestações e distúrbios tiveram mais de 40 mortes.
"O povo venezuelano está sofrendo pelo colapso econômico provocado pela má gestão e a corrupção de seu governo. Os membros do Tribunal Supremo de Justiça exacerbaram a situação ao interferir na autoridade do Legislativo", disse em comunicado o secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin.
"Por meio destas sanções, os Estados Unidos apoiam o povo venezuelano em seus esforços para proteger e promover um governo democrático no país", acrescentou Mnuchin, sob cujo controle está o Escritório de Controle de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), que impõe as sanções.
Maikel Moreno tornou-se o magistrado chefe do Supremo venezuelano em fevereiro deste ano.
Os outros incluídos nas sanções, que congela bens dentro da jurisdição americana e proíbe transações financeiras, são os magistrados da Sala Constitucional do TSJ Luis Fernando Damiani, Arcadio Delgado, Gladys Gutiérrez, Juan José Mendoza, Calixto Ortega, Lourdes Suárez e Carmen Zuleta.
Esta é a segunda rodada de sanções contra chavistas do alto escalão no mandato do presidente dos EUA, Donald Trump, embora nesta ocasião a razão não seja o narcotráfico, como aconteceu na primeira.
Repúdio
O governo da Venezuela manifestou seu "repúdio" contra as sanções e indicou elas violam as leis internacionais. "A Venezuela repudia sanções unilaterais e extraterritorias do Departamento do Tesouro dos EUA contra juízes do máximo tribunal", escreveu a chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, no Twitter.
Além disso, a ministra das Relações Exteriores disse que é "inadmissível que os EUA imponham sanções a um poder público soberano e independente, violando leis internacionais e venezuelanas". Rodríguez afirmou que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reforça o apoio aos juízes, "vítimas do poder imperial americano".

Por Agencia EFE
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE