Assembleia da Venezuela aprova 'nulidade' de decreto de Maduro sobre Constituinte

Em um debate no qual somente participaram os deputados
opositores foi aprovado o acordo "sobre a inconstitucionalidade
 e nulidade dos decretos. Foto Divulgação
Somente deputados opositores participaram do debate. Presidente convocou Assembleia para redigir nova Constituição.
A Assembleia Nacional (AN) da Venezuela, controlada pela oposição, aprovou nesta terça-feira (9) um acordo sobre a "inconstitucionalidade e nulidade" do decreto com o qual o presidente Nicolás Maduro convocou uma Assembleia Nacional Constituinte.
Em um debate no qual somente participaram os deputados opositores foi aprovado o acordo "sobre a inconstitucionalidade e nulidade dos decretos (...) sobre a fraudulenta convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte feita pelo presidente da república em conselho de ministros".
O encarregado de apresentar o acordo foi o deputado Omar Barboza, que destacou que a Constituinte deve ser submetida primeiro a um referendo para consultar o povo venezuelano sobre a necessidade do processo.
Barboza indicou que, embora nos artigos da Constituição onde se estabelece a Constituinte não se mencione que se deve fazer um referendo, a Carta Magna deve ser interpretada "integralmente", ressaltando que nela se estabelece que se deve recorrer a este mecanismo "inclusive para assuntos de interesse paroquial".
Por fim, disse que Maduro pode ter a iniciativa da figura, tal como estabelece o artigo 348 da Constituição, mas que a convocação reside no povo venezuelano.
Os deputados opositores também pediram nesta terça ao Poder Eleitoral, que recebeu na quarta-feira passada a convocação de Maduro, "respeito à soberania popular e à Constituição", pois consideram que deve abster-se de "dar curso a essa convocação inconstitucional".
Nesse acordo também decidiram denunciar perante a Defensoria do Povo, o Ministério Público e alguns organismos internacionais, como a ONU e a Organização dos Estados Americanos (OEA), "a violação dos direitos políticos" dos venezuelanos.
Os deputados consideram que esta convocação do governo serve para "ganhar tempo" e "não realizar" eleições, e reiteraram que o oficialismo busca estabelecer uma Assembleia Constituinte "tutelada". Na Venezuela estão pendentes as eleições de governadores, que deveriam ter sido realizadas em 2016, de prefeitos de 2017 e presidenciais de 2018.
A iniciativa de Maduro de modificar a Constituição surge em um cenário de protestos antigovernamentais iniciados há mais de um mês que em algumas ocasiões geraram incidentes violentos, nos quais mais de 30 pessoas morreram e centenas ficaram feridas.

Por Agencia EFE
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE