Servidor de propina da Odebrecht passou por Angola

© Jamil Chade/Estadão Sede da empresa Safe Host, em Genebra,
que guardava o servidor de operações financeiras da Odebrecht
Antes de acomodar um servidor com dados das propinas pagas a agentes públicos em um edifício na Suíça, a Odebrecht escolheu Angola para esconder quase 2 milhões de páginas de documentos, e-mails e provas de transações bancárias.
De acordo com o responsável pelas operações ilícitas do Setor de Operações Estruturadas Hilberto Mascarenhas, em documento entregue à Operação Lava Jato, “a premissa era de estar em algum país que não tínhamos operação”, afirmou.
© Jamil Chade/Estadão Sede da empresa Safe Host, em Genebra, que guardava o servidor de operações financeiras da Odebrecht
Segundo ele, eram dois sistemas tecnológicos com acesso restrito desenvolvido para as transações bancárias. Um deles era o MyWebday B, para pagamento e controle de todas as propinas. O outro era o Drousys, um mecanismo de comunicação para troca de e-mails e de solicitações. De acordo com o documento, o MyWebday B foi especialmente adaptado para atender às necessidades do departamento da propina, em um trabalho que levou de três a seis meses.
“Em 2007, por questões de disponibilidade do link de conexão, já que o link com Angola apresentava muitos problemas de indisponibilidade de conexão, dessa forma tivermos de alterar o local”, contou.
O ex-executivo destacou que, na Suíça, o MyWebday B ficaria “completamente isolado de quaisquer dos servidores ou funcionários da companhia, assegurando uma maior confidencialidade às informações”. Já o Drousys não deixaria rastro de quem acessasse o sistema.

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE