Julgamento da chapa Dilma-Temer pode ser concluído ainda neste semestre, diz Fux

Ministro Luiz Fux em seminário sobre a recessão
 (Foto: Daniel Silveira/G1)
'Acredito que esse ano, esse semestre talvez até, consigamos julgá-lo', disse ministro. Vice-presidente do TSE participou de palestra da FGV e da Firjan sobre recessão.
O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, disse nesta segunda-feira (24) que o julgamento da ação que pede a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer pode ocorrer ainda neste semestre.
“Nós temos quase certeza que sairá [o julgamento] porque já houve a conclusão da instrução e o processo tinha sido colocado em pauta. Surgiram provas novas que tornaram necessário o prolongamento, mas acredito que esse ano, esse semestre talvez até, consigamos julgá-lo”, disse.
Questionado se será um julgamento longo, o ministro lembrou que o relatório tem mil páginas.
Fux conversou com jornalistas após palestrar durante o seminário “O Fim da Recessão”, promovido pelo Comitê de Cooperação Empresarial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).
O julgamento da ação que pode cassar a chapa Dilma-Temer teve início no dia 4 de abril. Porém, por unanimidade de votos, os sete ministros decidiram reabrir a fase de coleta de provas, autorizar depoimentos de novas testemunhas e conceder prazo adicional para as alegações finais das defesas.
Nesta segunda, os marqueteiros João Santana e Mônica Moura prestam depoimento na sede do Tribunal Regional Eleitoral em Salvador, na Bahia. Os depoimentos ocorrem a portas fechadas. Eles deveriam ser sido feitos no dia 17, mas houve adiamento.
O julgamento é motivado por ação impetrada em 2014 pelo diretório nacional do PSDB e pela coligação Muda Brasil, encabeçada na última eleição presidencial pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pelo atual ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes (PSDB-SP). A chapa tucana foi derrotada por Dilma e Temer no segundo turno.
Foro privilegiado
Em sua palestra, o ministro Luiz Fux criticou o inchaço do STF em relação ao volume de processos que tem para julgar. Parte da sobrecarga, segundo o magistrado, se deve à quantidade de ações envolvendo pessoas que têm foro privilegiado.
O ministro lembrou que o foro privilegiado é estabelecido por normas constitucionais e que só pode ser alterado por meio de emendas constitucionais, ou seja, pelo Poder Legislativo. “Eu acho pouco provável que um legislador venha a defender o fim do foro”, sugeriu Fux.
O STF poderá vir a minimizar os efeitos do foro privilegiado na tramitação de processos no STF. Segundo Fux, a maioria dos ministros seria favorável a defender que o foro seja garantido apenas para infrações cometidas no cumprimento do mandato que garante a prerrogativa.
“O que incomoda o Supremo é esse foro volátil, quer dizer, o processo desce, o processo sobe. Acredito que a posição majoritária do Supremo vai eliminar essa anomalia do foro.”
Mensalão virou mensalinho
Luiz Fux, também em sua palestra durante o seminário, ironizou o escândalo do Mensalão diante das revelações trazidas à tona pela Operação Lava Jato.
“Nós paramos seis meses para julgar o mensalão. O mensalão poderia ser julgado, hoje em valores comparados, em Juizados de Pequenas causas. A diferença é brutal”, ironizou o ministro ao fazer alusão aos valores que envolvia a ação penal 470, conhecida como mensalão, em comparação com os montantes relacionados à Operação Lava Jato.

Por Daniel Silveira, G1 Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE