Emílio Odebrecht diz que reforma em sítio frequentado por Lula custou R$ 700 mil

Emilio Odebrecht diz que conversou com Lula, dentro
do Palácio do Planalto, sobre sítio
Informação foi dada na delação do empresário. Em nota, Instituto Lula informou que sítio não pertence ao ex-presidente e que os donos já confirmaram a propriedade e a origem dos recursos.
O empresário Emílio Odebrecht afirmou em depoimento no acordo de delação premiada que a reforma em um sítio em Atibaia (SP) frequentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva custou à construtora Odebrecht cerca de R$ 700 mil.
Emílio afirmou, ainda, que o sítio sempre foi tratado dentro da empresa como se pertencesse ao ex-presidente e que foi a ex-primeira-dama Marisa Letícia quem pediu ajuda para concluir as obras, que já estavam em andamento na propriedade. O pedido, relata o empresário, foi feito em 2010, no último ano do segundo mandato de Lula na Presidência da República.
Procurado pelo G1, o Instituto Lula divulgou a seguinte nota nesta quarta-feira (12): "O sítio não pertence ao ex-presidente Lula. Os proprietários do sítio confirmaram não só a propriedade como a origem dos recursos para comprá-la."
No ano passado, o instituto já havia se pronunciado sobre o sítio, afirmando que o ex-presidente frequenta o local desde que encerrou o mandato (em 2011); que o sítio pertence a "amigos da família"; e que "a tentativa de associá-lo a supostos atos ilícitos tem o objetivo mal disfarçado de macular a imagem do ex-presidente".
O depoimento de Emílio Odebrecht
Ao ser questionado sobre se lembrava quais foram as obras no sítio, Emílio Odebrecht balançou a cabeça em uma resposta negativa.
Ele foi indagado, então, sobre o que foi feito com os R$ 400 mil inicialmente destinados às obras. "Era para fazer, concluir o que os outros não tavam conseguindo concluir". Perguntado sobre se havia outras empresas trabalhando no sítio, declarou: "Ah, já. Não era obra nova não, foi para terminar coisas que já tinham sido iniciadas por alguém. Eu não sei, não conheço."
Emilio Odebrecht, na sequência, é questionado sobre o valor orçado para a obra e responde: "Inicialmente [a obra foi orçada em R$ 400mil], e deu mais, deu cerca de R$ 700 mil, ou talvez até um pouco superior. É que, como foi feito, várias obras assumiram".
Conversa com Lula
Na delação, o empresário também afirmou que chegou a tratar da reforma no sítio com o próprio Lula.
"No final do ano, penúltimo dia de mandato do Lula, do último mandato, eu estive com ele. Lá no Palácio do Planalto. E aí eu disse: 'Olhe, chefe, você vai ter uma surpresa. Nós vamos garantir o prazo que nós tínhamos dado naquele programa lá do sítio'. Ele não fez nenhum comentário, mas também não botou nenhuma surpresa, coisa que eu [...] eu entendi não ser mais surpresa", afirmou Emílio na delação.
Conversa com advogado de Lula
Também em depoimento no acordo de delação premiada, o ex-executivo da Odebrecht Alexandrino Alencar afirmou ter discutido com Roberto Teixeira, um dos advogados de Lula, uma maneira de "formalizar" as obras do sítio.
Alencar disse ainda que, em 2011, recebeu uma ligação de Teixeira pedindo um encontro para discutir a situação do sítio, em nome de Fernando Bittar. Esta reunião, diz o delator, ocorreu no escritório do advogado, em São Paulo.
De acordo com Alencar, a solução encontrada foi emitir uma nota fiscal "considerando que [a obra] foi pago pelo Fernando Bittar". Ele afirma ainda que "foi feito um escalonamento do pagamento, para não ficar uma coisa muito cara".

Por G1, Brasília
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE