STF autoriza extradição para os EUA de brasileira acusada de matar o marido

EUA têm 60 dias para pedir extradição de Cláudia ao
governo brasileiro (Foto: Paul Hoerig/ Arquivo pessoal)
Claudia Sobral nasceu no Brasil, mas se naturalizou norte-americana na década de 1990; tribunal considerou que ela não é mais brasileira por ter perdido a nacionalidade.
Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizaram nesta terça-feira (28), por maioria, a extradição para os Estados Unidos de uma brasileira acusada de matar o marido no país norte-americano.
Claudia Cristina Sobral, conhecida como Claudia Hoerig, nasceu no Brasil, mas abriu mão da nacionalidade brasileira, em 1999, ao se naturalizar norte-americana.
Votaram a favor da extradição os ministros Luis Roberto Barroso – relator do caso –, Luiz Fux, Rosa Weber e Alexandre de Moraes. Apenas o ministro Marco Aurélio Mello votou contra a entrega de Claudia Hoerig.
Em meio ao julgamento, Marco Aurélio – que ficou vencido no julgamento – afirmou que esta é a primeira vez que o Supremo autoriza a extradição de um brasileiro nato. Barroso, contudo, ponderou que Claudia não pode mais ser considerada brasileira porque abriu mão da nacionalidade ao se naturalizar norte-americana.
O tribunal, no entanto, condicionou a extradição da brasileira ao compromisso das autoridades norte-americanas de não aplicarem as penas de morte ou de prisão perpétua. Além disso, os Estados Unidos terão que respeitar o tempo máximo de detenção previsto pela legislação brasileira: 30 anos.
Entenda o caso
Depois de obter a naturalização, Claudia Hoerig se casou nos Estados Unidos com o americano Karl Hoerig. Ele foi assassinado, em 12 de março de 2007, mesmo dia em que Claudia retornou ao Brasil.
Considerada a principal suspeita do homicídio, a brasileira naturalizada norte-americana é considerada foragida pelas autoridades dos Estados Unidos.
Segundo os autos do processo, Claudia adquiriu voluntariamente a nacionalidade estrangeira embora ela já tivesse um “green card”, o visto permanente concedido pelos EUA que permite que imigrantes permaneçam no país sem as restrições de outros vistos e concede a eles alguns direitos de um cidadão norte-americano.
Claudia, de acordo com a ação de extradição, jurou fidelidade e lealdade aos Estados Unidos, renunciando à cidadania brasileira.

Por Fabiano Costa, G1, Brasília
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE