Procuradora-chefe da Venezuela diz que Suprema Corte rompeu com a Constituição

'Isso representa uma ruptura da ordem constitucional.
 É minha obrigação expressar minha grande preocupação
 com o país', disse Luisa Ortega. (Foto: Ariana Cubillos/AP)
'Isso representa uma ruptura da ordem constitucional. É minha obrigação expressar minha grande preocupação com o país', disse Luisa Ortega.
A procuradora-chefe da Venezuela, Luisa Ortega, disse na sexta-feira (31) que a decisão do Tribunal Supremo de Justiça de assumir o papel do Congresso violou a Constituição.
"Isso representa uma ruptura da ordem constitucional. É minha obrigação expressar minha grande preocupação com o país", disse Ortega, em um descolamento incomum da linha governamental para alguém que tem sido uma importante aliada do governo socialista.
Golpe?
O Ministério de Relações Exteriores da Venezuela negou nesta sexta-feira (31) que tenha ocorrido um “golpe de Estado” no país, como acusa a oposição, depois que o Supremo Tribunal de Justiça (TSJ) assumiu as funções do Congresso.
"É falso que tenha havido um golpe de Estado na Venezuela, pelo contrário, suas instituições adotaram corretivos legais para deter a desviada e golpista atuação dos parlamentares opositores declarados abertamente em desacato às decisões emanadas do máximo Tribunal da República", disse a Chancelaria em comunicado.
Dezenas de opositores do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, bloquearam uma rodovia em Caracas na manhã desta sexta-feira e protestaram em frente à Suprema Corte. "Hoje, na Venezuela, despertamos bloqueando ruas", disse o parlamentar opositor Miguel Pizarro.
Reações internacionais
A medida despertou críticas da oposição e foi condenada por vários países. A Organização das Nações Unidas (ONU) expressou nesta sexta "grave preocupação" e pediu ao país para reconsiderar a decisão porque "a separação de poderes é essencial para a democracia para o trabalho".
"Manter espaços democráticos abertos é essencial para garantir que os direitos humanos sejam protegidos", disse o Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU, Ra'ad Zeid al Hussein.
Estudante e guarda nacional bolivariano entram em confronto
em frente à Suprema Corte de Caracas, na Venezuela,
nesta sexta-feira (31) (Foto: Ariana Cubillos/ AP)
O Peru foi o primeiro país da região a reagir à medida, retirando de "maneira definitiva" seu embaixador na Venezuela. Nesta manhã, a Colômbia chamou o embaixador na Venezuela para consultas após a intervenção do Judiciário no Congresso, segundo a France Presse.
Membro da oposição protesta contra o presidente Nicolas Maduro, em Caracas, na Venezuela, na quinta-feira (30) (Foto: Fernando Llano/ AP) Membro da oposição protesta contra o presidente Nicolas Maduro, em Caracas, na Venezuela, na quinta-feira (30) (Foto: Fernando Llano/ AP)
Em nota publicada pelo Itamaraty, o governo brasileiro repudiou a medida judicial e a considerou "um claro rompimento da ordem constitucional". O Paraguai afirmou que a medida é um rompimento absoluto com o estado de direito. Já presidente do Chile, Michelle Bachelet, condenou qualquer situação que "altere a ordem democrática" na Venezuela.
Argentina, Canadá, Costa Rica, Estados Unidos, Guatemala, Panamá e Peru também manifestaram sua preocupação pela decisão do Supremo venezuelano.

Por Reuters
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE