Polícia Civil do RJ deve R$ 82 milhões a agentes

A dívida da corporação com seus agentes foi revelada pelo chefe
da Polícia Civil, Carlos Augusto Leva, à Alerj na terça-feira (21). 
Levantamento apresentado à Alerj inclui RAS e 13º. Policiais estão em greve há mais de dois meses.Valor corresponde a cerca de 1/5 do que foi desviado por grupo ligado a Cabral, segundo o MPF.
Os atrasos salariais que tanto incomodam os policiais civis, citados para justificar a greve que dura mais de dois meses, resultam uma dívida da corporação com seus servidores equivalente a R$ 82 milhões. O valor corresponde a aproximadamente de 1/5 (20,5%) dos R$ 400 milhões que, segundo o Ministério Público Federal, foram desviados pelo grupo que seria liderado por Sérgio Cabral.
A dívida da corporação com seus agentes foi revelada pelo chefe da Polícia Civil, Carlos Augusto Leva, à Alerj na terça-feira (21). No mesmo dia, o MPF fez uma cerimônia com membros da Justiça para devolver parte do valor que teria sido desviado por Cabral. O recurso, R$ 250 milhões, foi utilizado para o pagamento do 13º salário de 146 mil aposentados e pensionistas de 2016.
Dívida com policiais civis
A maior parte dos R$ 82 milhões devidos aos policiais civis vêm do décimo terceiro: mais de R$ 68 milhões.
O restante do valor corresponde ao Regime Adicional de Serviço (RAS), R$ 5,9 milhões, e ao Sistema Integrado de Metas (SIM), R$ 8 milhões, respectivamente.
O RAS, de acordo com Leba, estaria atrasado desde agosto, mas o mês de setembro já havia começado a ser pago.
O levantamento apresentado pelo chefe da Polícia foi feito em encontro da comissão de segurança pública sobre a crise vivida pela corporação.
As entidades de classe da Polícia Civil criticaram o que chamam de "sucateamento" da Polícia Civil. Além dos salários, eles se queixam do pouco investimento em treinamento e equipamentos.
"Todo dia nós lemos uma tragédia nos jornais por conta do sucateamento da polícia civil. Ao longo dos anos e dos governos, tem-se investido pouco em polícia judiciária e mais em medidas que possam ter mais efeito eleitoreiro, como colocar uma viatura na rua e fazer o cidadão achar que é um investimento em segurança pública", afirmou o presidente do sindicato dos policiais civis, Rafael Barcia.
Na ocasião, o secretário de segurança, Roberto Sá, afirmou que não havia um cronograma que estipulasse o pagamento dos atrasos.
"Esse calendário só poderá ser anunciado à ordem do governo do estado ou pela secretaria de Fazenda, quando nos der essa garantia", disse ele. "A reivindicação dos senhores é a nossa e chega ao governador constantemente".

G1 Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE