Países da OEA reiteram preocupação com 'difícil situação' na Venezuela

Delegados de nações americanas analisam a atual situação
da Venezuela nesta terça-feira (28) em sessão extraordinária
 (Foto: AP Foto/Luis Alonso Lugo)
Organização dos Estados Americanos diz que seguirá examinando opções "para apoiar o funcionamento da democracia" naquele país.
Vinte países reconheceram nesta terça-feira (28), na Organização dos Estados Americanos, a "difícil situação" que enfrenta a Venezuela, aumentando a preocupação do organismo continental sobre a questão.
"Recordando nosso contínuo apoio ao diálogo e à negociação, reiteramos nossa preocupação com a difícil situação política, econômica, social e humanitária que se vive na Venezuela", destaca uma declaração conjunta.
O texto, lido pela representante do Canadá, Jennifer May, durante uma sessão extraordinária do Conselho Permanente convocado a pedido de 18 países para debater a crise venezuelana, informa que a OEA seguirá examinando opções "para apoiar o funcionamento da democracia" naquele país.
A declaração pede a apresentação de "propostas concretas para definir um curso de ação que leve à identificação de soluções diplomáticas" para a crise.
Com apenas três parágrafos, a declaração é apoiada por Brasil, Estados Unidos, Argentina e México, que na semana passada exortaram a Venezuela a libertar seus "presos políticos" e a fixar um calendário de eleições que inclua as votações regionais suspensas no ano passado.
O embaixador mexicano, Luis Alfonso de Alba, disse ao final da sessão que a declaração assinala "que há uma preocupação majoritária genuína para que os estados-membros tenham um papel mais ativo e direto" na situação venezuelana.
Projeto de resolução
Alfonso de Alba indicou que estes países preveem convocar o Conselho Permanente nos "próximos dias" para discutir um projeto de resolução que inclua o estabelecimento de um mecanismo diplomático formal para buscar saídas para a crise política e econômica na Venezuela.
O diplomata destacou que o grupo de países não busca a suspensão da Venezuela do organismo.
A Venezuela protestou contra a realização da sessão do Conselho Permanente, e considerou ilegítimos os acordos obtidos no organismo.
"Um Conselho Permanente que a Venezuela não reconhece nós consideramos inexistente", declarou em entrevista coletiva a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez.

Por France Presse
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE