‘Há corrupção no Vaticano, mas estou em paz’, confessa papa

Papa reconhece que há corrupção no Vaticano, mas disse
estar "em paz" (Alessandro Bianchi/Reuters)
Questionado sobre os escândalos de abusos sexuais dentro da Igreja, o papa Francisco disse que o caso precisa ser visto como uma "doença"
O papa Francisco admitiu que existe corrupção no Vaticano, mas que aprendeu a encarar os problemas com “serenidade e viver em paz”, de acordo com uma reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal italiano Corriere della Sera. “Há corrupção no Vaticano, mas eu estou em paz”, disse o líder católico. “Qual é o segredo da minha serenidade? Não tomo remédios tranquilizantes. Os italianos sempre dão um belo conselho: para viver em paz, precisa um pouco de ‘indiferença’. Eu não tenho problema em dizer que estou vivendo uma experiência. Em Buenos Aires, era mais ansioso, mais preocupado. Hoje vivo uma profunda paz, não sei explicar”, contou.
De acordo com Francisco, os cardeais e membros da cúria sabem dos problemas internos do Vaticano e “todos queriam reformas” no último conclave. “Nas congregações gerais antes do conclave que me elegeu, falavam dos problemas do Vaticano e todos queriam reformas”, disse. “Mas se há algum problema, eu escrevo um bilhete a São José e coloco embaixo de uma estátua no meu quarto, uma estátua de São José dormindo. Ele dorme em cima dos meus bilhetes e eu durmo tranquilo”, afirmou Francisco.
Abusos sexuais — Questionado sobre os escândalos de abusos sexuais dentro da Igreja Católica, o papa disse que a “disseminação dos abusos é devastadora”, mas que o caso precisa ser visto como uma “doença”. “Se há religiosos envolvidos, é claro que está em ação o diabo que estraga a obra de Jesus através de quem deveria, justamente, anunciar Jesus. Mas vamos falar a verdade: isso é uma doença”.
No início da semana, uma comissão criada pelo governo da Austrália divulgou um relatório inédito sobre casos de pedofilia no país que aponta que 7% dos sacerdotes católicos locais (mais de 4.000 padres) foram acusados de abusos desde os anos 1950. O Vaticano, que possui regulamentações próprias e leis internas para lidar contra a pedofilia e a corrupção, também já foi citado pelas Nações Unidas a prestar esclarecimentos.

(Com ANSA)
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE