Taxistas protestam em diferentes pontos do Rio contra aplicativos

Taxistas começam a chegar na sede da Prefeitura
do Rio (Foto: G1 Rio)
Um grupo ateou fogo em barricadas em ato no aeroporto. Segundo a prefeitura, foram encontrados pregos e vergalhões para furar pneus. Ato é contra apps de transporte de passageiros.
Taxistas se concentraram em diferentes pontos do Rio, desde as primeiras horas desta quinta-feira (27), para um protesto cobrando regras de regulamentação dos aplicativos de transporte de passageiros, como Uber, Cabify e 99. Os grupos saíram de várias regiões por volta das 7h em direção à Prefeitura do Rio, onde está previsto que todos se encontrem para a manifestação.
Taxistas começam a chegar na sede da Prefeitura do Rio (Foto: G1 Rio)
O Sambódromo, perto da sede do governo municipal, foi liberado para estacionamento de taxistas, na tentativa de evitar que o trânsito fique ainda mais impactado com o protesto.
De acordo com o Centro de Operações da Prefeitura, o trânsito chegou a 55 quilômetros na cidade por volta das 9h30. O normal para o horário seria de 31 quilômetros.
Os taxistas se reuniram bem cedo em bairros como Copacabana, Barra, Del Castilho, Tijuca, Irajá, Realengo e Ilha do Governador. De lá, os veículos seguiram por vias como Estrada do Galeão, Linha Vermelha, Av. Brasil, Av. Dom Hélder Câmara, Av. das Américas e Túnel Rebouças, até a região da Cidade Nova, onde fica a prefeitura. Algumas carreatas tinham carros de som.
Entenda as reivindicações dos taxistas no Rio
Segundo o Centro de Operações, os organizadores se comprometeram a não bloquear vias e acessos aos aeroportos da cidade, em reunião realizada na tarde desta quarta-feira (26), com representantes da prefeitura e do governo estadual. A Secretaria de Ordem Pública ameaçou multar em R$ 5 mil quem interditar as ruas.
Na maioria da vias por onde passaram, os taxistas deixaram pistas abertas para a circulação do tráfego, circulando em fila indiana. Mesmo assim, devido ao grande número de manifestantes, o trânsito foi impactado em várias áreas. Na Leopoldina, houve interdição temporária por volta das 7h30, para a passagem de taxistas.
Protesto em via no RJ tem confusão entre taxistas e motorista de aplicativo
Confusões
As equipes de reportagem do G1, da TV Globo e da GloboNews flagraram algumas confusões durante as manifestações.
Pouco antes das 9h, um homem teria provocado os taxistas que passavam em comboio pela Linha vermelha, na altura de São Cristóvão, afirmando que era motorista de um aplicativo de carros particulares, causando reação dos motoristas. De acordo com a repórter Bárbara Carvalho, eles chegaram a trocar tapas e socos e os ânimos ficaram exaltados (veja no vídeo acima).
No mesmo local, o cinegrafista Roberto Carlos filmou homens com ovos na mão. Segundo informações no local, os ovos eram lançados em táxis que passavam na direção contrária, ou seja, sem participar do protesto.
Na Leopoldina, o cinegrafista Gabriel Mira e a repórter Fernanda Rouvenat flagraram o momento em que um homem que participava da manifestação chutou a porta de dois táxis que passaram sem aderir ao ato (veja abaixo).
Barricada
No começo da manhã, um grupo chegou a atear fogo em barricadas no entorno do aeroporto Santos Dumont. Eles também chegaram a jogar um ovo dentro de um carro do Uber que levava um passageiro para o aeroporto. Às 6h15, o trânsito foi liberado e os focos de incêndio, apagados.
Os taxistas também protestaram na área de embarque do aeroporto e chegaram a bater nos vidros e nos capôs de carros que prestam serviços para aplicativos como Uber e Cabify. De acordo com o Centro de Operações, foram encontrados pregos e vergalhões para furar os pneus dos carros. Agentes do Batalhão de Choque da Polícia Militar reforçam a segurança no local.
xistas convocam manifestação contra aplicativos de transporte de passageiros
Reivindicações
Os taxistas dizem que não são contra os aplicativo, mas querem que as regras de regularização dos veículos a que os táxis são submetidas sejam aplicadas também aos motoristas de aplicativos. Ricardo Telles, representante do Sindicato dos Taxistas, reivindicou mais participação do poder público.
"A nossa reivindicação é isso: queremos que tenha critério na regulamentação. Discutimos durante tempos sentar à mesa com o prefeito para discutir alguma coisa que passe pelo respeito a essa profissão centenária, que somos nós, taxistas. Não fomos ouvidos. Existem algumas normas da prefeitura que, se propagadas, condenam definitivamente a nossa profissão. O que nós queremos é respeito, dignidade e regras iguais, tanto para o taxista profissional regulamentado quanto para esse novo modal que, entendemos se é a vontade do cliente, do usuário, não somos nós para dizer o contrário. Mas que sejam regulamentados, com as devidas restrições", explicou Telles.
A Secretaria de Ordem Pública (Seop) emitiu nota sobre o ato. O órgão diz que que respeita o livre direito à manifestação conforme estabelece a Constituição.
"Contudo, cabe ressaltar a importância de garantia do direito de ir e vir aos cidadãos, também definido na Carta Magna", acrescenta a secretaria. "Nesse sentido, a adoção de medidas punitivas, dentre as quais a aplicação de multas, só será colocada em prática como último recurso e com o objetivo de garantir o cumprimento da lei", conclui o texto.

Por G1 Rio
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE