MP está 'extrapolando' suas prerrogativas, afirma defesa de Temer

BRASÍLIA - O advogado do presidente Michel Temer, Antonio Claudio Mariz, afirmou na segunda-feira, 10, que o Ministério Público "está extrapolando" as suas prerrogativas. Ele disse ainda que o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), agiu "açodadamente" ao homologar a delação da JBS, que resultou na denúncia contra o presidente em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.
A fala de Mariz ocorreu logo após a leitura do parecer do relator da denúncia, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), na comissão. Zveiter, que deu parecer favorável à autorização do prosseguimento da denúncia, rebateu o que a defesa de Temer vem alegando. "Denúncia não é inepta", afirmou Zveiter, em seu relatório.
Para ele, o conteúdo da denúncia contra Temer é um "nada acusatório" baseado em "ficção". "Instaurou-se açodadamente inquérito com reflexos seriíssimos na governabilidade do País", afirmou. Mariz acusou ainda o MP de atuar de forma seletiva até mesmo sobre a escolha de provas. "Uma prática horrorosa em que eu só ponho nos autos aquilo que me interessa", ironizou.
Após o relator da denúncia, deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ), anunciar voto favorável à autorização da ação penal contra Temer na CCJ, Mariz declarou aos parlamentares que Fachin homologou o acordo de delação premiada "sem que houvesse nenhuma investigação ou perseguição da verdade". "Ninguém foi atrás de meros indícios para saber se aquele fulano (Joesley Batista, dono da JBS), estava atrás de meros interesses pessoais", criticou.
Anomia. O advogado ainda voltou a dizer que "estamos vivendo em um Estado de absoluta anomia". "O juiz não julga mais, é o Ministério Público que dá o regime do cumprimento da pena", disse.
Mariz voltou a questionar os termos do acordo de delação da JBS, dizendo que os delatores tiveram "impunidade absoluta neste caso". O jurista disse que está "à disposição" para ajudar os congressistas a redigirem um projeto de regulamentação da delação.
Mariz reforçou o discurso da defesa de que a acusação de que Temer teria recebido R$ 500 mil da JBS por intermédio do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures é "mentira e infâmia". "Onde e quando Temer recebeu R$ 500 mil? Mata-se a honra com uma acusação infame, o in dúbio é sempre pró-réu." Ele alega que Temer "não pediu nada" e que não há indícios de que houve nenhuma contrapartida.
Ele também criticou trecho da denúncia que trata da visita de Joesley a Temer, no período da noite e sem qualquer menção na agenda do presidente. "Fala-se que Joesley esteve lá (Palácio do Jaburu) na calada da noite. Não esteve, ele foi às dez e pouco, onze da noite, assim como outros já foram, inclusive o Procurador-geral da República já esteve sem estar na agenda várias vezes. E é possível que parlamentares também tenham ido sem agenda", alfinetou.
Interpelado pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que disse que Joesley usou nome falso de Rodrigo, Mariz rebateu que o encontro foi agendado pelo ex-deputado Rodrigo Rocha Loures, que acabou não comparecendo à reunião.

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE