Trump chama todo o Senado à Casa Branca para discutir tensões com a Coreia do Norte

Donald Trump durante cerimônia em Washington
na sexta (21) (Foto: Reuters/Aaron P. Bernstein)
Em decisão atípica, presidente americano convoca todos os cem senadores para discutir tensão crescente na Península Coreana. Convite deixa alguns legisladores apreensivos.
O governo Donald Trump chamou o Senado americano inteiro a comparecer à Casa Branca nesta quarta-feira (26/04), numa convocação atípica para discutir a crescente tensão com a Coreia do Norte.
Todos os 100 senadores foram convidados a participar da reunião com o secretário de Estado, Rex Tillerson, o secretário de Defesa, Jim Mattis, o diretor da inteligência nacional, Dan Coats, e o general Joseph Dunford, chefe do Estado-Maior Conjunto.
Normalmente, as autoridades do governo se dirigem ao Capitólio para informar os membros do Congresso sobre temas relacionados à política externa e sobre questões de segurança nacional. O caminho inverso, de todos os 100 membros do Senado se dirigirem até a Casa Branca, é incomum. Já houve no passado, mas para grupos menores de senadores.
David Popp, porta-voz do líder republicano no Senado Mitch McConnel, explicou que Trump "ofereceu sediar a reunião e que o líder do Senado concordou". Outras lideranças do Senado sinalizaram que a maioria, se não todos, dos senadores deve comparecer na Casa Branca.
O convite deixou alguns legisladores perplexos, já que o Capitólio detém um local seguro e de tamanho apropriado para lidar com reuniões do tipo. Segundo reportagem do jornal americano "Washington Post", alguns parlamentares americanos levantaram a questão sobre se o governo de Trump não estaria pretendo usar o evento como uma encenação fotográfica para marcar seus primeiros cem dias como presidente do país.
Membros do Congresso sugeriram que a apresentação na Casa Branca tornaria mais fácil para Trump "passar por lá" e talvez assumir o controle da reunião. "Ouvi que isso veio do próprio Trump, que do nada disse 'por que não os trazemos para cá em vez disso?'", afirmou um assessor ao "Washington Post", sob condição de anonimato.
A apresentação, segundo fontes do governo, poderia ser feita no Eisenhower Executive Office Building, edifício ao lado da Casa Branca e que abriga boa parte do Conselho de Segurança Nacional. Mas ainda não há confirmação oficial.
O auditório seria temporariamente transformado numa "instalação de informação sensível compartimentada" (Scif, na sigla em inglês). Tais instalações são feitas para resistir a espionagem ou invasões computadorizadas. O Capitólio possui um Scif no subsolo.
"Essas apresentações sempre, sempre, sempre foram feitas no Scif daqui", disse um assessor do Senado ao "Washington Post", também sob condição de anonimato. "Isso significa que as informações confidenciais serão compartilhadas numa localização não segura? Ou que não estaremos ouvindo nada sobre material confidencial?"
O governo Trump tem enrijecido sua retórica contra a Coreia do Norte e tem pressionado a China a exercer mais influência sobre Pyongyang para que o regime comunista pare de realizar seus testes nucleares e com mísseis. Na segunda-feira, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que Washington pode atacar a Coreia do Norte caso ela agrida uma base militar americana ou faça um teste de míssil balístico intercontinental.

Por Deutsche Welle
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE