Sócio da OAS promete relatar favores a Lula

O desempenho de Pinheiro no depoimento ao juiz Moro
 é considerado fundamental pelos envolvidos nas negociações
de uma colaboração premiada dele. 
O empreiteiro Aldemário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, um dos sócios da OAS, deve adiantar, em depoimento a Sergio Moro nesta quinta (20), parte do que promete entregar em um possível acordo de delação premiada com a Lava Jato.
Ele será ouvido na ação que envolve a reforma de um tríplex em Guarujá (SP) que seria destinado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
No ano passado, Pinheiro e o ex-presidente se tornaram réus neste caso.
Envolvidos nas investigações relataram à reportagem que o empreiteiro negociou com procuradores fazer um relato com detalhes sobre os favores que teria feito a Lula e seus familiares.
Com isso, Pinheiro e o Ministério Público indicariam que um futuro acordo de delação a ser fechado não dependeria só de informações sobre Lula, minimizando críticas de que os investigadores estariam pressionando o sócio da OAS a focar no ex-presidente.
O desempenho de Pinheiro no depoimento ao juiz Moro é considerado fundamental pelos envolvidos nas negociações de uma colaboração premiada dele. Pessoas ligadas ao empreiteiro veem essa como a última chance dele ter seu acordo fechado com a Lava Jato.
As tratativas foram suspensas em agosto do ano passado pela Procuradoria-Geral da República após vazamento de informações ligadas a obras na casa do ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal), em que não foram identificadas irregularidades.
As conversas com Pinheiro foram retomadas nos últimos meses, após o acordo assinado pela Odebrecht com a Lava Jato. Além de Lula e temas que corroboram o que a Odebrecht citou, a delação da OAS pode fornecer informações sobre corrupção em fundos de pensão.
As tratativas incluem, além de Pinheiro, outros executivos e ex-executivos do grupo, e também acionistas, como Cesar Mata Pires e seu filho Antonio Carlos Mata Pires.
TRÍPLEX
Além de ser proprietária do empreendimento, o Condomínio Solaris, a OAS gastou cerca de R$ 770 mil na reforma do apartamento que chegou a ser visitado por Lula e a mulher, Marisa Letícia (morta em fevereiro), acompanhados de Pinheiro.
A empreiteira também participou da reforma do sítio de Atibaia (SP) frequentado pela família do petista, e pagou a ele viagens internacionais após deixar a Presidência, segundo as investigações.
Em setembro, Pinheiro foi preso pela segunda vez pela Lava Jato e levado para Curitiba, onde está desde então.
Na época, Moro disse que surgiram novas provas mostrando ações do empresário para atrapalhar as investigações, como destruir e-mails.
Em abril de 2015, o STF havia determinado que ele e outros executivos migrassem para o regime de prisão domiciliar. Além de ser réu neste caso, Léo Pinheiro foi condenado a 39 anos em outras duas ações penais.
Na ação do tríplex, o Ministério Público afirma que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em propinas pagas pela OAS oriundas de contratos da Petrobras. Segundo a acusação, o dinheiro foi investido na reforma do tríplex. A OAS também pagou pelo transporte e armazenamento de

Notícias ao Minuto
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE