Polícia divulga áudio que deu início a boato e tentativa de linchamento

O delegado informou que áudios, fotos e vídeos têm sido
 usados para ajudá-los na identificação de quem começou
 a espalhar a informação falsa. Reprodução Intertv
Gravação foi a primeira divulgada no WhatsApp, acredita polícia no RJ. Casal foi espancado em Araruama por multidão após boato de sequestro.
A Polícia Civil divulgou, na tade desta quinta-feira (6), o primeiro áudio que levou à tentativa de linchamento de um homem e de uma mulher no fim da tarde de quarta (5) em Araruama, na Região dos Lagos do Rio. Na gravação, um homem informa sobre o sequestro de um bebê, além de detalhes sobre o carro onde o casal estava.
"Atividade, atividade aí agora, rapaziada. Tentaram roubar uma criança ainda agora, na frente do Tinoco, em um Escort branco, antigo. É um coroa já de idade e uma mulher mais nova. Tentaram roubar uma criança aqui, na frente do Tinoco", diz homem no áudio.
O delegado titular Luiz Henrique Marques, da 118ª Delegacia de Polícia, informou que áudios, fotos e vídeos têm sido usados para ajudá-los na identificação de quem começou a espalhar a informação falsa. Até a publicação desta reportagem, nenhum suspeito havia sido detido.
O caso aconteceu depois que boatos de que uma criança teria sido sequestrada circularam no aplicativo de mensagens. As vítimas foram hostilizadas e agredidas. Uma multidão cercou o veículo onde elas estavam. O homem pediu socorro em uma padaria, onde, segundo ele, havia prestado serviço momentos antes. As agressões só pararam com a chegada da Polícia Militar e Guarda Civil.
A multidão ainda tentou virar o carro, mas já não havia ninguém dentro (veja vídeo). Depois, uma mulher ainda ateou fogo no veículo. Ela foi presa em flagrante por dano qualificado, segundo a Polícia Civil.
O motorista, Luiz Aurélio de Paula, que sofreu ferimentos no rosto, disse que pensou que fosse morrer.De acordo com a Polícia Militar, o ato no bairro Mutirão durou 40 minutos.
O motorista disse ainda que assim que o grupo invadiu o carro, negou que tivesse praticado o ato e levou as pessoas até uma paradaria para tentar provar que estava trabalhando com a venda de produtos no local. Mesmo assim, as agressões começaram e o número de envolvidos cresceu.
De acordo com o parágrafo 1 do artigo 154 da Lei 12.737/12 do Código Penal, que dispõe sobre crimes virtuais, "quem produz, oferece, distribui, vende ou difunde dispositivo ou programa de computador com o intuito de permitir a prática da conduta definida" pode ser condenado a pena de até dois anos de prisão e multa.
"Um monte de homem me abordaram, eu pensei que fosse um assalto. Aí eu tentei justificar pra eles que eu estava vendendo iogurte, queijo e linguiça aqui em Araruama. Não me deram atenção [...] Me empurraram pra dentro do carro, eu não deixei eles dirigirem o carro, eles mandaram entrar pra uma rua e eu entrei, falei 'vamo lá na padaria que vocês vão ver que eu tô trabalhando'. O pessoal da padaria me identificou e disse que trabalhava comigo".
Durante a confusão, uma viatura da guarda também teve o vidro quebrado, e um policial ficou ferido. Um dos guardas contou como aconteceu.
"A gente partiu pra lá e conseguiu isolar, defendeu o senhor até porque era só suspeita, não tinha nenhuma acusação. O ânimo lá tava de ódio. Tava querendo pegar o casal para fazer um linchamento. Provavelmente ia acontecer um homicídio lá, eles iam matar o casal. Era um clima muito de ódio", explica Alex Silvestre, subcomandante da Guarda Municipal em Araruama.
A vítima, emocionada, falou sobre a atitude tomada pela população após o boato.

"Tinha umas mil pessoas do lado de fora falando que iam me matar por causa desse WhatsApp, que tá incriminando as pessoas e matando as pessoas sem ter culpa. Eu tô morto de vergonha da minha esposa, da minha família, por estar passando uma situação dessa. Tentaram matar um homem trabalhador. O pessoal queria me linchar a troco de quê? Eu não fiz nada de errado. Eu simplesmente tô trabalhando... trabalhando honestamente, e ser abordado por homens desconhecidos e ser detonado na sociedade, nas redes sociais a troco de quê? Eu pensei que ia morrer porque tinha muita gente invadindo, querendo invadir a padaria", desabafou.

Do G1 Região dos Lagos
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE