Moro interroga três ex-executivos da OAS em ação sobre triplex

Juiz federal Sérgio Moro interroga três réus em ação penal
que envolve um triplex em Guarujá (Foto: Solange Freitas / G1)
Réus serão ouvidos a partir das 14h desta quarta-feira (26), na Justiça Federal de Curitiba. Processo da Lava Jato abrange três contratos da OAS com a Petrobras.
Nesta quarta-feira (26), o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato na primeira instância, interroga três ex-executivos da Construtora OAS na ação penal que envolve um triplex em Guarujá, no litoral de São Paulo. O processo tem o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como um dos réus.
Fábio Hori Yonamine, ex-presidente da OAS Empreendimentos, Paulo Roberto Valente Gordilho, arquiteto e ex-executivo da OAS e Roberto Moreira Ferreira, ex-diretor da empresa, serão ouvidos a partir das 14h, na sede da Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.
Na quinta-feira (20), o ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, disse a Moro que Lula o orientou a destruir provas.
Devido ao prolongamento do interrogatório de Léo Pinheiro, o magistrado transferiu o depoimento do ex-executivo da OAS Agenor Franklin Magalhães Medeiros, que seria ouvido no mesmo dia, para dia 28 de abril.
Na segunda-feira (24), a Polícia Federal (PF) pediu o adiamento do interrogatório de Lula, marcado inicialmente para 3 de maio. A PF informou à Justiça que precisa de mais tempo para organizar o esquema de segurança para o dia da audiência do ex-presidente. Até a publicação desta reportagem o juiz Sérgio Moro não havia se posicionado sobre o pedido da polícia.
Veja as datas dos próximos interrogatórios:
  • 28/04/2017, às 14h: Paulo Tarciso Okamoto, presidente do Instituto Lula e Agenor Franklin Magalhães Medeiros, ex-executivo da OAS;
  • 03/05/2017, às 14h: Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República.
A acusação
A denúncia foi aceita em setembro do ano passado e abrange três contratos da OAS com a Petrobras. De acordo com a acusação, R$ 3,7 milhões em propinas foram pagos a Lula. Para os procuradores do Ministério Público Federal (MPF), a propina se deu por meio da reserva e reforma do apartamento triplex, em Guarujá, e do custeio do armazenamento de seus bens.
Lula responde por corrupção passiva e lavagem de dinheiro nesta ação penal. Ele também é réu em outro processo relacionado à Lava Jato na Justiça Federal do Paraná, que envolve a compra de um terreno para a construção da nova sede do Instituto Lula e um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.
Por Aline Pavaneli, G1 PR, Curitiba

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE