Doria veta, mas CUT mantém ato de 1º de Maio na avenida Paulista

Ato da CUT na Avenida Paulista em março de
 2017 (Miguel SCHINCARIOL/AFP)
Prefeitura diz que não pode haver show na via em razão de acordo com o MP; central diz que evento é político, apesar da apresentação de músicos como Emicida
O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), proibiu a Central Única dos Trabalhadores (CUT) de fazer na Avenida Paulista na próxima segunda-feira o seu evento de celebração de 1º de Maio, Dia do Trabalho. A central sindical, no entanto, manteve o ato, previsto para as 12h na altura do Museu de Arte de São Paulo (Masp).
“A Prefeitura Regional da Sé notificou a CUT sobre a impossibilidade de realização de um show de 1º de Maio que está sendo divulgado para a próxima segunda, na Avenida Paulista. Além de a central sindical não ter pedido autorização para a apresentação, a iniciativa fere o Termo de Ajuste de Conduta assinado pela administração municipal em 23 de março de 2007 com o Ministério Público, que permite a realização de apenas três eventos por ano na via”, disse a prefeitura em nota.
O TAC a que se refere a prefeitura foi firmado pela prefeitura e o Ministério Público e prevê a realização de três eventos por ano na via. Os eventos autorizados pela administração municipal são a Parada Gay, a festa de Réveillone a Corrida de São Silvestre.
No dia 26 de março, um domingo, no entanto, o Movimento Brasil Livre (MBL), que apoia o prefeito, realizou uma manifestação na Paulista e não teve objeção da prefeitura.  O nó da questão é que o governo municipal não considera o evento da CUT um ato político, como foi o do MBL – em apoio à Lava Jato e pelas reformas -, mas um show.
Isso porque o evento da CUT prevê várias atrações musicais, entre elas os rappers Emicida e Mc Guimê e a sambista Leci Brandão. No ano passado, também com shows, o evento da central sindical foi no Vale do Anhangabaú. Neste ano, a CUT, com outras centrais sindicais e grupos de esquerda, também fez um protesto na Paulista, no dia 15 de março, que teve inclusive a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A CUT, porém, considera o seu ato de 1º de Maio um evento político e, em seu site, classifica o evento como um dia de resistência contra as reformas trabalhista e da Previdência propostas pelo presidente Michel Temer.
“Nesta data histórica, os trabalhadores enfrentarão uma conjuntura adversa, com ameaça de enormes retrocessos nos direitos trabalhistas e previdenciários. Por isso, este 1º de Maio será de extrema importância, além de ser o primeiro grande ato após a greve geral que paralisará o país no dia 28 de abril”, afirma ao site da central o presidente da CUT-SP, Douglas Izzo.
Segundo a central, o ato também irá celebrar os cem anos da histórica greve de 1917, “que durou três dias e paralisou a capital paulista por liberdade e aumento salarial, marcando os primeiros tempos de organização operária no Brasil”.

De acordo com a prefeitura, se a CUT fizer o ato, ela estará sujeita à aplicação de multas, conforme prevê a lei 16.402/2016. O artigo 138 veda a realização de eventos públicos temporários sem prévia autorização, quando exigida, e fixa multa no valor de R$ 20 por metro quadrado ocupado pelo evento.
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE