'A prova que tem contra mim é um pedágio', diz Lula sobre tríplex

© Filipe Araujo Segundo o ex-presidente, seu depoimento
ao juiz Sergio Moro servirá para que ele se defenda
"pela primeira vez" das acusações
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira (24) que a prova que existe contra ele no caso do tríplex em Guarujá (SP) é "um pedágio" e que está na hora de "parar o falatório" e "provar" que ele recebeu dinheiro de forma ilegal.
Segundo o ex-presidente, seu depoimento ao juiz Sergio Moro, marcado para o próximo mês, servirá para que ele se defenda "pela primeira vez" das acusações que existem contra ele no âmbito da Operação Lava Jato.
"Está na hora de parar o falatório e mostrar prova. A prova que tem contra mim é um pedágio", disse Lula durante evento do PT em Brasília. "Eu estou com muita vontade de brigar, de fazer a boa briga", completou o ex-presidente ao indicar que pretende disputar a eleição presidencial de 2018.
Réu em cinco ações penais, o ex-presidente pode se tornar inelegível caso seja condenado em segunda instância.
A declaração pública de Lula ocorre dias após a defesa de Léo Pinheiro, sócio da OAS, entregar à Justiça documentos para tentar comprovar que o petista foi beneficiado pela reforma de um tríplex em Guarujá (SP).
Entre os documentos entregues estão o registro de que dois carros em nome do Instituto Lula passaram pelo sistema automático de cobrança dos pedágios a caminho do Guarujá entre 2011 e 2013. Não há, no entanto, informações que comprovem que as viagens tiveram como destino o apartamento no Edifício Solaris, que Léo Pinheiro diz ser do ex-presidente.
Em discurso de cerca de quarenta minutos para uma plateia de dirigentes e militantes petistas, Lula disse estar "tranquilo" sobre a possibilidade de Moro adiar seu depoimento sobre o tríplex, inicialmente marcado para 3 de maio, e que estará em Curitiba quando o juiz ordenar.
Segundo a reportagem apurou, Moro cogita adiar o depoimento de Lula a pedido da Polícia Federal, mas o ex-presidente ainda não havia sido informado da decisão até o início da noite desta segunda (24).
"Não estou preocupado com a data. A data é do juiz Moro. A hora que ele marcar, estarei em Curitiba", disse Lula.
"Quero comparecer [ao depoimento em Curitiba] porque é a primeira grande oportunidade que eu não vou ser atacado pelas revistas e televisões. Eu vou ter, de viva voz, o direito de me defender. No meu primeiro depoimento, o horário é meu. Faz três anos que estou ouvindo", completou o ex-presidente.
Lula afirmou ainda que estão contando "mentiras" contra ele "24 horas por dia" e que não nasceu para "ter medo de lista", em referência à relação de investigados divulgada na semana passada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), em que o petista aparece ao lado de oito ministros do governo Michel Temer, dezenas de parlamentares, governadores e outros políticos.
"Não nascemos para ter medo de lista, nascemos para provar que eles agora estão criminalizando o que antes não criminalizavam", disse Lula sem citar diretamente a prática de caixa dois. "Não temos que ter vergonha de sermos políticos. A hora que desmoralizar todo mundo o que vai sobrar nesse país é pior". Com informações da Folhapress.

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE