Sistema para registrar participação em referendo na Venezuela não reconhece Maduro

Na tela do aparelho, no entanto, apareceu uma mensagem que
 a desmentia: "A pessoa não existe, ou o carnê foi anulado".

Reprodução G1
Presidente levou seu 'Carnê da Pátria' para votar, mas aparelho informou: 'A pessoa não existe ou o carnê foi anulado'. Cena foi captada por uma câmera de televisão do governo e viralizou.
O carnê criado pelo governo venezuelano para registrar os beneficiários de seus programas sociais - e que seria usado para monitorar o voto na Assembleia - não funcionou, deixando o presidente Nicolás Maduro em uma saia justíssima, neste domingo (30).
"Vamos fazer a verificação do meu Carnê da Pátria para que fique registrado que eu vim votar e que meu Carnê da Pátria fique marcado para toda vida, que votei no dia histórico da Constituinte", anunciou o presidente neste domingo antes de votar.
"Leu?", perguntou Maduro à mulher que escaneava os documentos com um smartphone, recebendo uma resposta positiva.
Na tela do aparelho, no entanto, apareceu uma mensagem que a desmentia: "A pessoa não existe, ou o carnê foi anulado". Captada por uma câmera de televisão do governo, a imagem viralizou nas redes sociais.
O Carnê da Pátria é dotado de um "código QR" (similar a um código de barras), que armazena informação pessoal do usuário e permite, entre outras coisas, que ele adquira alimentos subsidiados.
A oposição acusa o governo de usar esse documento como um mecanismo de controle social, para fins políticos.
Os rivais de Maduro não perderam tempo e usaram o episódio para voltar a estimular os beneficiários dos programas sociais a não votar, alegando que não seriam descobertos. "O sistema não funciona, e se você for funcionário público não podem saber se você votou ou não", escreveu o vice-presidente do Parlamento, o opositor Freddy Guevara, no Twitter.
Maduro havia determinado que os titulares do carnê deveriam apresentar o documento nos postos de votação para que sua participação fosse confirmada. O requisito não tinha sido estabelecido oficialmente pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).
O presidente também ordenou que todos os servidores públicos fossem votar. Segundo Maduro, mais de 15 milhões de venezuelanos, de uma população total de 30 milhões, têm esse carnê. Mas apenas 8 milhões de eleitores votaram, segundo número oficial do CNE.
Por France Presse

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE