PF só poderá ouvir Temer após perícia de áudio

© Andressa Anholete / AFP PF só poderá ouvir Temer
após perícia de áudio
BRASÍLIA - A Polícia Federal procurou o advogado do presidente Michel Temer para marcar depoimento no inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a delação da JBS. A defesa solicitou que o peemedebista só seja ouvido após a perícia nos áudios gravados pelo sócio da empresa, Joesley Batista. O ministro Edson Fachin, relator do caso, disse à PF para dar continuidade “exclusivamente, da perícia em curso”, adiando a análise do pedido de Temer. 
A PF não poderá ouvir o presidente até Fachin decidir se o depoimento pode ser feito antes da perícia – a “única diligência por ora deferida” – ou se será necessário esperar a conclusão da análise técnica. O áudio da conversa entre ele e Joesley está em análise no Instituto Nacional de Criminalística – o processo pode levar até 30 dias.
Advogados de Temer, Antônio Mariz e Gustavo Guedes pediram também “que, se o Presidente da República for ouvido, deverá sê-lo em ato presidido por Vossa Excelência ou responder por escrito quesitos elaborados”. Fachin também vai deliberar sobre a solicitação.
“Com o devido respeito, entende-se como providência inadequada e precipitada, conquanto ainda pendente de conclusão a perícia no áudio gravado por um dos delatores, diligência extremamente necessária diante das dúvidas gravíssimas levantadas – até o momento – por três perícias divulgadas”, argumentou a defesa.
A gravação do encontro entre Temer e Joesley na residência oficial do presidente na noite de 7 de março mostra o empresário informando a Temer ter cometido crimes como pagamento mensal indevido a um procurador da República e uma mesada milionária a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro, ligado ao PMDB, em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara.
A PGR e a PF apuram se Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-MG) cometeram os crimes de corrupção passiva, embaraço à justiça e constituição e participação em organização criminosa. A defesa de Temer tem utilizado os questionamentos sobre o áudio como estratégia para atrasar o andamento do inquérito. No sábado, 20, havia pedido a suspensão da investigação até a perícia ser concluída e, depois, voltou atrás, retirando a necessidade de um julgamento no plenário que poderia fragilizar ainda mais o presidente. Nesta quarta-feira, 24, também a pedido da defesa, o ministro decidiu encaminhar à PF o laudo encomendado pelos advogados do presidente “para consideração”.
É de praxe que a Procuradoria-Geral da República requeira ao STF autorização para colher depoimentos. No caso em questão, não havia um pedido formal, tampouco decisão nesse sentido. Nem a defesa nem o ministro, no entanto, afirmaram que a PF não teria permissão para solicitar o depoimento.
Resposta. Segundo Mariz de Oliveira, advogado do presidente, uma escrivã da PF o procurou por telefone no fim da manhã comunicando a intimação. “Considero esse ato de ouvir o presidente antes da perícia ficar pronta, logo no início da instauração do inquérito, como um ato verdadeiramente de provocação, absolutamente ilegal, desnecessário, que apenas tenta desestabilizar a ordem institucional”, disse.
O advogado argumentou que o presidente estará à disposição do ministro para depor ou para responder por escrito após a perícia na gravação. / COLABORARAM JULIA AFFONSO, LUIZ VASSALLO, FAUSTO MACEDO e RICARDO BRANDT

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE