NASA Missão tripulada para Marte Missão tripulada para Marte Divulgação 1

© image/jpeg Missão tripulada para Marte
Se você chegasse a uma ilha deserta, o que faria para sobreviver? Criar um abrigo provavelmente estaria entre as suas prioridades.
Esse pensamento também se aplica aos pesquisadores da Nasa, que estão estudando as condições para a primeira missão tripulada à Marte.
A viagem é longa e não dá para levar muita coisa. A conclusão da agência, portanto, é que as primeiras pessoas a criar instalações em Marte vão ter que aprender a construir com o próprio material disponível por lá.
Mas não adianta mandar pedreiros para Marte se não sabemos se o solo do planeta serve para alguma coisa. E é isso que a Nasa investiga atualmente.
Em um estudo recém-publicado, pesquisadores usaram um material tão parecido com a composição química da superfície de Marte que tem o nome de Mars-1a. Uma areia de cristaizinhos minúsculos, ele é rico em nanopartículas de óxido de ferro.
O Mars-1a já existe há um tempo, mas os cientistas precisavam fazer malabarismos para transformar aquela areia em tijolos. Um número enorme de reagentes químicos, polímeros e calor era necessário para “dar liga” na gororoba. Pouco prático para os pedreiros recém-chegados a Marte.
A grande descoberta dos pesquisadores foi que, afinal, não era necessário misturar o solo marciano com nenhum ingrediente. Só apertá-lo.
Os cientistas compactaram o material a condições de alta pressão, só para ver o que acontecia. Resultado: uma rocha mais resistente que concreto armado. Com a compreensão, as partículas de óxido de ferro serviam como agente de ligação no material, que poderia ser moldado no formato de tijolos.
Mas quanta força é necessária? Para alguns milímetros de volume, basta o equivalente a uma martelada. O próximo passo é fazer o mesmo com quantidades maiores de solo.
A grande dúvida, porém, não é se conseguiríamos transportar a tecnologia de compressão à Marte. Isso é possível, mas a Nasa precisa estar convencida de que vale a pena.
Para isso, precisamos saber se o solo marciano reagiria da mesma forma que a simulação que fizemos na Terra. E isso só vai ser possível quando trouxermos diferentes amostras dele para testes por aqui.
Mas se você tem interesse em ser pedreiro espacial, não perca as esperanças: o próprio autor da pesquisa já anunciou que estaria mais que satisfeito em ser o oleiro oficial do Planeta Vermelho.
Este conteúdo foi originalmente publicado no site da Superinteressante.

Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE