Doria não descarta candidatura à Presidência em 2018

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB)
Foto: FELIPE RAU/ESTADÃO
Prefeito de SP, porém, reafirmou apoio ao nome de Alckmin; concorrer aos Bandeirantes não está nos planos, mas também não é 'irreversível'
O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que a determinação de não se candidatar em 2018 não é “irreversível”. Questionado sobre a possibilidade de disputar o Planalto, ele reafirmou o apoio ao seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), mas não descartou concorrer caso haja desgaste dos nomes tucanos mais cotados para a eleição. O mesmo ele disse em relação a uma candidatura ao governo paulista.
As declarações foram dadas em entrevista ao jornal SBT Brasil, do SBT, veiculado na noite desta segunda-feira, 13. Na semana passada, o prefeito negou a intenção de disputar a Presidência e declarou adesão ao nome de Alckmin, que, por sua vez, admitiu publicamente a intenção de concorrer ao Planalto no próximo ano.
Questionado se concordava com a frase do político mineiro Magalhães Pinto de que “política é como nuvem: você olha, ela está de um jeito, você olha e ela está de outro”, Doria disse que “nada é irreversível, exceto a morte”. No entanto, o prefeito que o seu candidato é Alckmin. “Não é apenas porque nós temos uma amizade de 36 anos e não é apenas porque ele me apoiou para a Prefeitura de São Paulo. É porque ele é bom, é competente, é sério, é dedicado, é honesto. É um bom gestor, um quadro excepcional do PSDB”, afirmou.
Doria disse também que defende a realização de prévias no PSDB, tanto para a escolha do candidato à Presidência como ao candidato ao Palácio dos Bandeirantes.
O prefeito também não descartou uma candidatura ao governo paulista já no ano que vem. Questionado sobre a eventual disputa para os Bandeirantes, ele repetiu: “Vou usar o mesmo Magalhães Pinto: nada é irreversível. Eu não tenho isso como planejamento, e estou ‘prefeitando’. O melhor que eu posso fazer é ser um bom prefeito”.
Na edição desta segunda-feira, 13, o Estado mostrou que o nome de Doria ganha força entre tucanos para concorrer ao governo – entre os apoios declarados está o do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Fernando Capez (PSDB).
Caixa 2. Na entrevista ao SBT Brasil, o tucano também disse ser contra a qualquer proposta de anistia de caixa 2 praticado em campanhas eleitorais. Questionado sobre a ideia, afirmou que “a tese tem de ser avaliada”. “Eu não concordo com ela (anistia), mas acho que tem de ser avaliada. Discordo do caixa 2. É preciso ter um novo formato. O formato atual e o passado (de financiamento de campanha) não funcionam.”
Doria afirmou que o surgimento da proposta, com o avanço da Operação Lava Jato e possíveis citações de tucanos e peemedebistas em delações premiadas, não é uma “coincidência positiva”. “Ela (a coincidência) torna mais vulnerável a tese (de anistia), por isso não me filio a ela, embora eu compreenda a tese. Mas ela se torna mais vulnerável dado o estágio avançado da Lava Jato”, disse o prefeito.

Para o tucano, denúncias de corrupção no PT e no PSDB “são atitudes distintas”. “O PSDB não é PT. A profundidade da corrupção do PT foi a maior montagem de quadrilha na história política do mundo. Primeiro não há corrupção do PSDB, há suspeitas. Eu confio no Ministério Público e confio na Justiça também. O que eu entendo é que tudo tem de ser apurado. Aplique-se a pena”, afirmou.
Estadão
Postar no Google +

About Angel Morote

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

PUBLICIDADE

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

RIO DAS OSTRAS 25 ANOS

PATROCINADOR

PUBLICIDADE